terça-feira, 30 de dezembro de 2008


EXTRA

Micos do ano: votem e... Até 2009

O fim do ano chegou; e com ele as intermináveis e indefectíveis listas de melhores e piores de 2008.

Filmes, carros, programas de tevê e, principalmente, pessoas. Afinal, são elas – somos nós! – que realizamos tudo o que existe.

Em homenagem às ‘perfeitas criações’ de Deus (?), o Cri-crítico aproveita o ensejo para, junto de vocês, caros leitores, fazer a lista dos micos do ano!

Podem ser pessoas, políticos (esses não se incluem na categoria pessoas), instituições, eventos, obras artísticas etc.

Comentem, colocando uma ou mais sugestões. Tão logo volte de meu merecido (ou não?) recesso, eu postarei aqui as melhores respostas!

Feliz réveillon e próspero 2009 para todos nós!

sábado, 27 de dezembro de 2008

Figurinha Carimbada

Papai Noel

Se o melhor da festa é esperar por ela, o bom velhinho é a perfeita personificação do antigo ditado.

Presente na publicidade, nos programas de tevê, nas festas de orfanatos às empresas, ele está em toda parte desde o final de outubro até o dia de ele esvaziar o saco – dele e nosso!

Assim Noel faz em todo o mundo, do Oiapoque ao Chuí, do ocidente ao oriente; em países onde nem se acredita em Jesus, o Cristo, verdadeiro sentido e razão do Natal.

Não poderia ser diferente nos Estados Unidos, é claro. Todavia, na terra de Elvis, Michael Jackson, Madonna e tantas outras excêntricas celebridades, São Nicolau tinha que aparecer de forma distinta.

E na derradeira noite, na constelação de Los Angeles, Califórnia – governada pelo igualmente estelar Arnold Schwarzenegger – o barba branca usou Bruce Pardo como ‘cavalo’, bateu à porta da casa dos sogros, apontou o trabuco para a ex-Mamãe Noel, filhos e amigos e atirou em todo mundo!

O mau velhinho feriu todos os 30 presentes, matou nove e, não satisfeito com o estrago, ainda colocou fogo na casa. Uma espécie de saída triunfal, como um astro de rock ou o seu companheiro de mitologia Nero.

Está certo que os norte-americanos se orgulham de ser empreendedores e que eles são realmente bons em organizar eventos e escândalos... Juntos! (Basta lembrar aquele show de Janet Jackson na final do Super Bowl de 2004.

Mas, puta que os pariram, até o Papai Noel deles tinha que ser mais notável?

Já não basta ter que aturar o Obama de sunga nas capas de revistas, que no dia seguinte mais um estadunidense é manchete mundial?

Não era isso que eu nem ninguém queríamos ler nas manhãs natalinas. Quer dizer, fora dos Estados Unidos. Porque lá as pessoas e a mídia parecem se retroalimentarem desse tipo de EVENTO.

Em tempo: depois da ‘festança’, o mau velhinho foi para casa do irmão e se matou.

Isto posto: ano que vem muita gente não vai ganhar presente.

Felizmente!

quinta-feira, 25 de dezembro de 2008

EXTRA

Natal: se beber não dirija e tome cuidado para não se engasgar com o perú

É Natal! Isso mesmo, depois de muitos esperarem ansiosamente para ganhar seus presentes e entrar no perú, outros não vêem a hora deste dia passar e de responder aos infindáveis scraps no Orkut e os e-mails em Power Point!

Como o Cri-crítico não é insensível ao nascimento do maior homem que passou por este planeta; deixo-lhes uma mensagem bem-humorada através do meu velho amigo Vampeta.

Assistam (são só 5 segundos!) a mais uma 'educativa' declaração desse filósofo comtemporâneo, exclusiva para vocês leitores do Cri-crítico.

video

'Alô galera do Cri-crítico, neste Natal não beba...

coma com farinha' rsrsrs

Vampeta,

'exemplo' de atleta, frasista e bebum profissional

quinta-feira, 18 de dezembro de 2008

Figurinha carimbada

Mohamed Bin Laden – Repórter

Na contramão dos sites e blogs de todo o mundo, esta semana não vou destacar o previdente norte-americano como personagem da semana.

George W. Shoes ficará no lugar que os estadunidenses mais odeiam: o segundo plano. E o prêmio de figurinha carimbada vai para... O repórter sem medo do iraque Muntazer al-Zaidi.

O coleguinha jornalista, do canal Al-Bagdadia, tem 29 anos e se transformou em herói nacional para uma grande parcela dos iraquianos, para 87% dos judeus, 99% dos crioulos, 8 bilhões de chineses e 100% dos americanos. (como sempre, os suíços preferiram não se manifestar).

Porém, aqui no Brasil divide opiniões. Metade da nossa população está cagando para a política internacional; e os outro 50% de pessoas, politizadas como o Cri-crítico, acha que o repórter é um merda por ter errado um alvo tão grande como a cabeçorra de W. Shoes de uma distância tão acanhada.

Como todos sabem o nosso esporte nacional é o futebol e por isso nós treinamos pênaltis, a fim de acertar a bola num gol de 7,32m de comprimento por 2,44m de altura.

Já o desporto predileto dos iraquianos é agredir todo mundo (vá ao Google e pesquise guerra do Irã, guerra do Kuwait) e não obstante a maior ofensa daquele país é atirar os sapatos nos cornos de alguém.

Portanto, o que leva um sujeito treinar isso há quase 30 anos e errar um alvo maior que uma baliza de futebol?

O agravante é o fato de ele ser jornalista. Ou seja, ele é profissional em dar porrada nos outros.

Para vocês terem idéia do tamanho da deficiência técnica dele; seria equivalente o Romário perder aquele pênalti na final da Copa de 94. Já pensaram nisso?

Em protesto ao colega de imprensa e aos blogueiros sem criatividade, não colocarei o vídeo da sapatada zarolha (como o próprio Jorge Bucho).

Por outro lado, darei a oportunidade de vocês vingarem o povo iraquiano postando o link do joguinho da sapatada no presidente.

Logo abaixo dos comentários que vocês hão de fazer!

Tente você dar uma bica no Bucho

quarta-feira, 17 de dezembro de 2008


ESPORTE –
DENÚNCIA (reloaded)

Ávidos pela verdade?

Contrariando a máxima do Velho Guerreiro, Chacrinha, e lema deste blog; à pedido de alguns leitores 'eu venho aqui para explicar'!

Vocês querem algumas das sujas verdades do futebol brasileiro?

Mesmo crendo que vou decepcionar alguns e ser protestado por outros, não agradando quase ninguém, vou ‘ligar o ventilador’. Afinal, o jornalismo não foi inventado para falar para contar histórias lúdicas – para isto existe a dramaturgia.

Então aí vai:

Telê Santana, a eminência parda dos técnicos de futebol, exaltado até hoje por jornalistas, dirigentes e ex-comandados; sempre recebeu dinheiro para convocar jogadores da república do café com leite (São Paulo e Minas Gerais).

Ou alguém se esquece que na Copa de 82 ele escalou Serginho Chulapa como titular da seleção, deixando na reserva Roberto Dinamite, considerado por público e crítica o melhor atacante do Brasil na época???
*

Galvão Bueno – sim, ele mesmo, amigos da Rede Globo – ‘cortou’ Roque Júnior da Copa de 2006. Até hoje se discute nos bastidores do futebol qual teria sido o peso de Galvão, sua influência, na comissão técnica da seleção brasileira.

O fato é que após duas discussões públicas com o narrador, Roque passou de titular absoluto a terceiro reserva e, em seguida, fora cortado do time. O jogador prometeu divulgar em um livro (?) a conexão de sua dispensa com o fato de não pagar à imprensa para fazer lobby para ele ser convocado.

*

Leão há quinze dias se dizia feliz e realizado no clube Al Saad, do Catar. Ao mesmo tempo em que o técnico gravava um vídeo para o Esporte Espetacular, da Rede Globo, afirmando que não voltaria ao Brasil tão cedo, seu empresário implorava à diretoria do Flamengo para contratá-lo, revelando o desprestígio do técnico com os dirigentes do mundo árabe.

Depois da negativa da diretoria do Flamengo – que não quis contratar o treinador por considerá-lo problemático – Leão chegou a desmentir sua demissão do clube catare.

Há dois dias ele fechou contrato para comandar o Atlético Mineiro em 2009.

*

Juvenal Juvêncio, atual presidente do São Paulo, declarou desconhecer e discordar (como assim não conhece mas não concorda?) da decisão do presidente da Federação Paulista de Futebol, Marco Pólo Del Nero, em solicitar a troca do árbitro Wagner Tardelli do jogo Goiás x São Paulo por Jailson Macedo Freitas no apagar das luzes do Campeonato Brasileiro.

Porém, o título brasileiro foi decidido na última rodada em benefício do tricolor paulista, depois do árbitro substituto validar um gol irregular de Borges – impedido nada menos que um metro e trinta!

***

É mole ou querem mais?

terça-feira, 16 de dezembro de 2008

segunda-feira, 15 de dezembro de 2008

ESPORTE

Surpresa: o futebol está na lama!

Há uma semana criei um post que, entre outras coisas, revelava uma pequena (ínfima, na verdade) parcela dos bastidores do esporte e também do jornalismo esportivo no Brasil.

Fiquei positivamente surpreso com a repercussão do tema. Todavia, a admiração dos leitores sobre a matéria me preocupou.

Será que a atual (?) realidade do futebol brasileiro (ou mundial?) está tão encoberta ainda?

Espero que o arrebatamento de vocês se torne indignação, e que, modéstia à parte, este que vos escreve tenha contribuído para isto.

Agradeço-os por não terem sido indiferentes a minha insistência – que só teve ‘voz’ aqui na blogsfera.

Muitas verdades, óbvias ou não, jamais serão reveladas ao público. Tão nocivo quanto são os boatos que se criam sobre os supostos esclarecimentos desses segredos. (que são repassados como verdades absolutas nos mundos virtual e real)

Quem não se lembra da teoria da conspiração na qual o Brasil teria ‘vendido’ a final da Copa de 98 em troca da realização da Copa do Mundo em 2006, consumada na verdade na Alemanha?

Na época recebi na redação zil e-mails/denúncias que descreviam de-ta-lha-da-men-te (risos) nomes e cifras do hipotético acordo. Anatomias bizarras daquela derrota (estranha, não nego).

Outros fatos são de conhecimento de toda – eu disse toda a imprensa – e não são revelados por...

Bem, por tudo que eu escrevi no post anterior.

Ah, claro, também porque hoje em dia os jornalistas não estão mais dispostos a bancar advogados do diabo. Afinal, é muito ‘melhor’ ser assessor de imprensa dos ‘deuses’ do futebol.

sexta-feira, 12 de dezembro de 2008


Figurinha carimbada

Imundo, o Animal
Está certo que semana passada ele bateu na trave de inaugurar a nossa coluna de ‘notável’ da semana; levando-se em conta que em apenas dois dias o nosso astro conseguiu pagar micos animais – perdoem-me pela gíria redundante.

De lá para cá ele já aprontou boas novas, mas, não posso deixar de enfatizar a última quinzena da nossa personagem, quando ele, jogador profissional em atividade, foi disputar uma partida de futebol com ex-atletas, artistas e outros peladeiros; e foi humilhado por um senhor de 55 anos, que lhe aplicou um drible por debaixo das pernas.




Acontece que o autor da jogada, conhecida como ovinho e/ou caneta, foi ninguém menos que Zico, o maior ídolo da história do seu arqui-rival Flamengo; o que tornam as gozações ainda mais pertinentes.

O Animal ficou tão atordoado que no dia seguinte, ainda sentindo efeitos colaterais do ‘ovinho que chocou’, atropelou um pintor que estava parado, em cima de uma escada, derrubando-o de uma altura de 5 metros!


Edmundo ao volante perigo constante

Não obstante é válido lembrar a habilidade de Imundo ao volante – de fazer inveja a qualquer Rubinho Barrichello.

Em seu histórico automobilístico estão:

O acidente, no qual, alcoolizado, ele matou três pessoas, em 1995; a prisão em julho de 2005 depois de ser pego novamente dirigindo embriagado; outra prisão em dezembro do mesmo ano por dirigir sem habilitação... E mais uma vez de porre; mais uma detenção por ser novamente flagrado bêbado ao volante, no ano passado...

Pára! Pára tudo. Quantas vezes esse Animal vai precisar se pego dirigindo encachaçado para perder a Carteira Nacional de Habilitação?

No meio de tanta confusão descobriu-se que, só este ano ele já somou 85 pontos em sua carteira, por nada menos que 19 multas de trânsito de março até a semana passada. Entre 2006 e 2007 Imundo cometeu outras 26 infrações, que somam 119 pontos negativos em seu prontuário. Portanto, bem mais do que os 15 pontos necessários à perda da carteira de motorista.

Hors concours

Está certo que Imundo é insuperável e poderia figurar nesta galeria em qualquer semana da última década. Mas mereceu a ‘honra’ esta semana especialmente, pelo que considero a coroação de sua carreira de vexames: a sua despedida (?) do futebol.

Não satisfeito em dar adeus ao esporte sendo rebaixado para a segunda divisão, junto com o Vice da Gama, ele resolveu fazê-lo de forma melancólica: chorando, esperneando, se negando em conceder entrevistas.

Porém, na terça-feira, dois dias após sua aposentadoria (?), Imundo resolveu declarar à imprensa que está negociando com times dos Estados Unidos para continuar fazendo o que ele mais gosta – depois de beber, ser preso e atropelar pessoas – jogar futebol.

Após ter se retirado dos gramados, em 2004, o Animal voltou ao futebol atuando pelo Nova Iguaçu, time da segunda divisão do Campeonato Carioca. Contudo ir para a terra do beisebol e do futebol com bola oval é jogar com quase amadores e estrelas metrossexuais como o Sr. Victoria Beckham.

Será que o Animal gostou tanto de levar dribles desconcertantes de ex-atletas que deseja reeditar com os Spice Boys de lá os lances do jogo da semana passada, ou a viagem é uma tentativa de obter a carteira de motorista internacional?

No caso dele seria quase um brevê do Agente 007, licença para matar em todo o mundo.

quarta-feira, 10 de dezembro de 2008


MÍDIA

Discussão sobre nu artístico chega à mídia nacional

Chegou hoje às bancas de jornal de todo país a revista Veja, com o debate sobre o sexo na mídia.


A matéria de capa do semanário mais importante da imprensa brasileira eleva ao patamar nacional uma discussão regional; iniciada no Festival de Cinema do Rio e devidamente explorada pelo jornal O Globo durante quase duas semanas.
Foram duas matérias de capa, artigos e notas, com e sobre o ator Pedro Cardoso, o fomentador da questão, e réplicas de leitores e outros atores.

Há época o cri-crítico, prevendo (com dois meses de antecedência) a relevância e repercussão que o tema poderia alcançar fez o que se espera de um jornalista: cri-criticou o assunto, resumindo aos leitores os primeiros capítulos do imbróglio.

Porém, vocês, meus caros leitores, não se empolgaram com a matéria e não teceram maiores (nem menores) comentários. Por isto, este tópico está vedado às participações – para não falarmos em dois posts sobre o mesmo assunto.


Quem quiser opinar deverá clicar no link abaixo:

http://ocri-critico.blogspot.com/2008/10/ombudsman-deu-na-mdia-prefiro-o.html

Leiam e entendam a origem de um problema que pode afetar a todos nós: a volta da censura – disfarçada de auto-regulamentação.

terça-feira, 9 de dezembro de 2008


CULTURA

Foi dada a largada para ver o Radiohead no Brasil – shows serão só em março

Já estão à venda, desde sexta-feira, através do site http://www.ingresso.com/ e nas bilheterias do ginásio do Maracanãzinho, no Rio de Janeiro e no estádio do Pacaembu, em São Paulo os ingressos para os shows da banda inglesa Radiohead.

O preço das apresentações dos dias 20 (Rio) e 22 (SP) de março de 2009 custarão nada menos que R$ 200.

A produção do evento avisou que não criará dificuldades ao cumprimento do direito à meia-entrada. Ah, bom! Sendo assim, vou comprar logo para minha família inteira.

No Rio, o show será na Praça da Apoteose e em Sampa na Chácara do Jockey, na Vila Sônia.

Para quem não conhece a banda, a história dela começa em 1993, quando chegou às rádios com a música ‘Creep’.

O som do Radio é um pop rock que lembra algumas bandas brasileiras dos anos 80. Porém, com o tempo eles amadureceram e marcaram presença na cena internacional com o lançamento de ‘Hail to the thief’, em 2005, disco que continha duras críticas à política dos governos inglês e norte-americano.

Ano passado os roqueiros voltaram às manchetes das publicações musicais em todo mundo ao disponibilizar o álbum ‘In rainbows’ para downloads dos fãs, que pagavam o quanto quisessem pela obra.

Sinceramente, acho que não vou ao show. Muito menos levar a família inteira nem pagar o ingresso para a gatinha. A não ser que eles adotem a mesma política de downloads.

Aí eu ‘baixaria’ o ingresso por umas 20 pratas! (risos) Tá, tá bom... Eu daria um valor maior para a banda.

E você quanto acha que vale o ingresso do show do Radiohead?

segunda-feira, 8 de dezembro de 2008



ESPORTE – DENÚNCIA

E agora Caio? E agora imprensa esportiva?

Há seis meses fiz uma reportagem investigativa e ofereci a um grande jornal do Rio, e esta foi recusada. Tão logo vi frustrada a possibilidade de vender a matéria e complementar o salário do mês, com um frilazinho honesto, adaptei-a em forma de crônica e ofereci-a gratuitamente aos colegas Renato Maurício Prado e Fernando Calazans, de O Globo.

No entanto, naquele momento a imprensa esportiva estava em lua-de-mel com a personagem central das minhas denúncias: o técnico Caio Júnior.

Na ocasião, em que eu revelava o histórico de Caio, que fora acusado de entregar o título goiano ao Itumbiara, os coleguinhas bradavam aos quatro cantos o quanto o treinador era profissional. Isto porque ele era educado e distinto nas entrevistas coletivas.

Questionei então, se não fazer grosserias aos repórteres, não agredir torcedores, prostitutas ou travestis passou a ser digno de elogios?

Eu acho que não.

Meses depois, entrevistando Zico, na sede do CFZ Rio, tomei a liberdade de brincar com o Galo e perguntar-lhe se ele era o Tony Ramos da bola – devido o seu comportamento impecável durante os seus 40 anos de vida pública.

Sabem o que ele respondeu?

Que não se considerava diferenciado por ser solícito, educado, honesto... Que bom caráter não é qualidade, mas obrigação.


Imediatamente lembrei-me do colega subeditor de esportes de outro jornal que me respondeu, em insinuante acusação, que não deveríamos criticar o trabalho do novo treinador para não instabilizar o clima... Não atrapalharmos a continuidade...

Mesmo que seja a continuidade da falta de ética? Exaltei há época.

Mas a verdade é que atualmente os jornalistas, quase na sua totalidade, parecem não ter coragem de fazer o que se espera de nós: criticar.

Com seu jeito tranqüilo, leia-se acomodado; educado, leia-se dissimulado; Caio Júnior continuou a promover os seus despautérios com o passar dos meses no comando do time mais popular do mundo.

O maior deles foi quando em momento chave do campeonato aplicou o maior balão de ensaio do meio futebolístico nos últimos tempos: para conseguir aumento salarial o técnico ameaçou entregar o cargo no período em que o time liderava, com folgas, o campeonato.

Pressionados pelo técnico e com medo da reação da torcida, os dirigentes flamenguistas se viram obrigados (?) à vender o meio-de-campo e ataque titular do time para manter o ‘líder’ do grupo.

Uma imoralidade! Que denunciei, sem alarde tampouco repercussão, aqui no blog. Vide os posts linkados abaixo:

http://ocri-critico.blogspot.com/2008/08/esporte-rumo-modernidade-o-flamengo.html

http://ocri-critico.blogspot.com/2008/08/esporte-dinheiro-sujo-se-lava.html

Naquele momento eu já condenava a permanência do técnico no Flamengo.

Desprovido do mínimo de ética ou moral, semanas depois o ‘profissional’ tentou botar na conta da diretoria a culpa por sete rodadas sem vitórias, alegando que houve demora na reposição de jogadores.

Acontece que o senhor Caio Júnior escolheu ‘a dedo’ os nove reforços do clube, a maioria ligados a empresários do futebol paranaense onde Caio trabalhou, e depois quase não os escalou.

Não estou insinuando nada, estou afirmando: ele recebeu comissão para colocar jogadores de empresários na maior vitrine do futebol brasileiro. Evidente.

Agora o ‘ético, ‘gentil’, ‘profissional’, ‘fashion’ e ‘fofinho’ Caio, repete a fórmula de se eximir das responsabilidades e culpa o presidente Márcio Braga; o vice de futebol, Kleber Leite; os jogadores e, pasmem, a imprensa, pelo fiasco no Brasileirão.

Bem-feito!

E agora coleguinhas?

Vai ter um bando de machões nas redações dos jornais diários metendo o pau, a caneta, teclado e mouse, no futuro ex-treinador rubro-negro (questão de dias).

Agora é mole, não é rapaziada?

Eu continuarei, se assim minha chefe permitir, quieto na minha revista, longe do jornalismo esportivo por um bom tempo, rindo das contradições dos aéticos.

Estejam eles do lado de cá ou do lado de lá do campo.

domingo, 7 de dezembro de 2008

Uma imagem vale mais do que mil palavras!


sábado, 6 de dezembro de 2008


ESPORTE

A culpa é do Romário

Já foi eleito o bode expiatório do provável rebaixamento do eterno vice para a segunda divisão do Campeonato Brasileiro.

Independente do resultado do jogo contra o Vitória da Bahia e, conseqüentemente, do decesso ou não para a segundona 2009, a torcida do vasquinho, marcou para amanhã a retirada da estátua de Romário do estádio de São Januário.

Depois que o baixinho revelou em entrevista para o diário esportivo Lance que o seu time de coração é o Flamengo, parte da torcida do vice se revoltou e decidiu revogar a homenagem ao ex-ídolo.

Os torcedores avisaram que farão a derrubada por bem ou por mal, no estilo das demolições das estátuas da família Housein, após a queda de Sadan da presidência do Iraque.

A diretoria do clube não quis se pronunciar sobre o assunto. O presidente e ex-jogador Roberto Dinamite limitou-se a dizer que o monumento não o incomoda.

No entanto, a verdade é que com essa declaração Roberto deixou claro de que não fará nada para impedir que as ameaças se concretizem.

O fato é que deve ser estranho para o maior ídolo da história do clubinho que ora preside não ter recebido nenhum tributo semelhante no estádio em que tanto jogou e (vá lá) marcou alguns golzinhos.

O desprestigio à Dinamite não pára por aí.

Em uma enquete realizada pelo Lancenet, os vascaínos, digo, sofredores, elegeram a imagem de Edmundo como a preferida para tomar o lugar da escultura atual. (pausa para gargalhadas)

Acontece que, em minha ‘modesta’ opinião de Flamenguista – e, portanto, mestre dos bacalhauzinhos – o Animal os humilhou muito mais que o rubro-negro Romário.

Muita gente deve lembrar as dezenas de declarações e ações judiciais do assassino contra o timeco de São Januário. Contudo, a mais eloqüente afirmação de todas, ele deu exatamente quando vestia o manto sagrado.

Como uma imagem vale mais do que mil palavras, presenteio-lhes com a foto abaixo para que comentem. (mais gargalhadas)





(Jogando pelo Mengão Edmundo mostra o seu ‘animalzinho’ para a torcida do vasquinho)



Pois é, os cientistas dizem que os peixes têm a memória curta, muitos afirmam que os brasileiros também. Mas o que falar dos bacalhaus, hein?

sexta-feira, 5 de dezembro de 2008

Figurinha carimbada Nº 1

Celsolone Pitta

Fiquei na dúvida entre uma dupla dinâmica da criminalidade para inaugurar a minha, a sua, a nossa galeria de figuraças.

O primeiro laureado poderia ganhar pelo conjunto da obra – extensa em pagação de mico público e pegação do dinheiro também público.

Não satisfeito em ser indiciado em treze ações civis públicas ao terminar seu mandato, ser preso por desacato à autoridade, em 2004, e ir para a cadeia novamente, em 2008, pelo ‘escândalo dos precatórios’; o ex-prefeito de São Paulo nos brindou esta semana com mais um de seus delitos.

Tal qual Al Capone – que contrabandiou, subornou, roubou, matou, mas foi preso por sonegar o Imposto de Renda – Celsolone Pitta está foragido da Justiça por não pagar pensão alimentícia à ex-mulher, Nicéia.

Ele teve a prisão decretada na última quarta-feira pelo juiz Francisco Antônio Bianco Neto, da 5ª Vara da Família de São Paulo.

Apesar de seus bolsos estarem recheados de dinheiro – do contribuinte paulistano – Celsolone não perdeu o hábito e calotou a pensão por vários meses; acumulando um dívida de nada menos do que R$ 100 mil.

Segundo a penhora, digo, a senhora Nicéia, os problemas com a pensão (não) recebida do ex-malandro, digo, marido não são de agora. Em janeiro de 2001, ela virou cliente da seção de penhor da Caixa Econômica Federal, um mês depois de começar a receber do ex-marido o primeiro calote da pensão alimentícia provisória de R$ 5.000.

De janeiro a abril daquele ano, Nicéia afirmou ter penhorado oito lotes de jóias para pagar as despesas mensais. (coitada) Cada quinhão, diz, rendeu-lhe entre R$ 400 e R$ 1.500.

Com isso, Nicéia é a prova viva de que vão-se os anéis e ficam os dedos – afinal sem eles não dá para segurar um revólver ou uma caneta, este segundo preferido pela quadrilha, quero dizer, família Pitta para praticar estelionatos e outros crimes.

A ex-primeira lama, digo, dama de São Paulo alega, no entanto, que sua lastimável (?) situação financeira atual é a maior prova de que não entrou no esquema de corrupção ao qual é acusada de cúmplice.

O caso veio à tona esta semana na imprensa depois que a ex-primeira ladra ofereceu R$ 1.000 para quem informasse o paradeiro de Celsolone.

Está certo que o valor oferecido é menor do que os dos cartazes de procura-se do Pica-pau nos anos 70. Contudo, mesmo considerando a defasagem cambial, quero saber de onde Nicéia vai roubar, quero dizer, conseguir a verba para pagar o caçador de recompensas.

Só se ela pagar com um cheque pré-datado, para depois que ela receber os R$ 100 mil. Pois, com os R$ 99 mil que sobrar ela poderá voltar a alimentar-se fartamente... Provavelmente de pizza.

Já Celsolone, ao menos demonstrou coerência: faz na sua vida pública a mesma coisa que na privada.
EXTRA

Figurinha carimbada

Esta semana resolvi inaugurar a primeira editoria fixa do cri-crítico.

Trata-se da ‘Figurinha carimbada’, que, como o próprio nome sugere, elegerá a figuraça mais proeminente da semana.

O termo, nascido nos álbuns de figurinha de futebol, designa que os membros chancelados são os mais raros de uma publicação; que se notabilizaram por seu talento blá, blá, blá...

Aqui também serão eleitas pessoas notáveis. Porém, não pelas suas qualidades, mas exatamente pelos seus defeitos, deficiências, ou por terem pago algum mico extraordinário.

Ao contrário de nosso ilustre antecessor e óbvia fonte de inspiração, Agamenon Mendes Pedreira (pseudônimo dos ‘Cassetas’ Marcelo Madureira e Humbert), não esperarei o domingo para publicar a ‘homenagem’.

Todas as sextas o eleito reinará aqui em nosso cantinho, fechando a semana com chave de ouro.

Por que não no sábado?

Porque até Deus descansou no sétimo dia!

Por que não no domingo?

Porque não quero ser acusado de plágio.

Vai que o meu escolhido é o mesmo dos ‘Cassetas’ (e isso é bem plausível); vai ter sempre um chato para afirmar categoricamente que eu copiei os caras e não o inverso.

Desde já, aceito sugestões de nomes NESTE POST, mas a equipe de O cri-crítico decidiu por unanimidade que as figuras indicadas por mim serão soberanas.

A primeira já está na minha mente. Será que vocês conseguem adivinhar quem é?

quinta-feira, 4 de dezembro de 2008


(Leo Pinheiro no colo da mãe, aos seis meses & Ingrid Guimarães, em look atual)




MÍDIA

Não é ‘Belinha’ mas vai ser capa da Playboy

Falando em posar; se padres podem ser modelos por que nós não?

Acabou a ditadura do certo e errado e, principalmente, da beleza. Ou seja, os feios também temos vez!

A partir desta nova premissa, já estou negociando para posar para alguma publicação feminina – porque da boyolina G Magazine eu estou fora.

O motivo da minha decisão foi saber que Ingrid Guimarães, a Pitty do programa ‘Sob Nova Direção’ (nem na tevê ela conseguiu ser ‘Belinha’), está negociando com a Playboy para ilustrar as páginas e capa da revista no ano que vem.

Pára tudo!

Vocês prestaram a atenção na parte em que revelo que ela ainda está negociando?

Que tipo de exigência ela ainda pode estar fazendo? Photoshop da cabeça aos pés, dublê de corpo, dublê de rosto, dublê de alma???

Pois, só na próxima encarnação ela terá uma pequena chance de ser considerada bonita, sexy ou ter qualquer outro atributo exigido para ocupar o posto de playmate.

Sei que algumas mulheres, fãs, emos e metrossexuais vão me cri-criticar, enumerando outros tantos predicados da atriz.

Todavia, desde já, peço-lhes que releiam o texto até agora.

Não se trata de desvalorizar o talento de atriz de Ingrid, mas de criticar a aptidão de gostosa dela.

Isto ela não é. (não me venham com critérios subjetivos) E eu não vou aceitá-la goela abaixo – já me bastam a Hortência, do basquete, a Rosemary fogueteira, a bandeirinha Ana Paula...

Muitos reclamam que gostosas sem talento não devem tirar o trabalho de atrizes profissionais. Concordo plenamente.

Igualmente acho que talentosas sem gostosura não tem o direito de tirar o papel de quem lhe é de fato, só porquê têm a mídia ao seu favor.

Este é a ensejo deste post. Quem entendeu?

quarta-feira, 3 de dezembro de 2008




MUNDO

Padres do Vaticano posam para calendário

Se nas oficinas mecânicas reinam modelos, atrizes, atletas, ‘mulheres fruta’ e todas essas gostosas que desejamos... Degustar, para ser eufêmico.

As paredes das paróquias, a partir de agora, não terão mais espaço para Jesus, o Cristo e outras imagens sacras.

O novo hit dos católicos de todo o mundo para 2009, pasmem, é um calendário com 12 padres jovens, atléticos e considerados atraentes.

Mais interessante ainda é perceber que alguns dos ‘modelos’ se esforçam para parecerem mais sedutores, fazendo caras, bocas e olhares fatais.

A alta cúpula do Vaticano, tenta amenizar as críticas afirmando que o calendário, que foi todo fotografado pelo italiano Piero Pazzi, não é oficial. E que eles não teriam como proibir os padres de posar com a batina.

Bem, se eles não podem proibir seus ‘funcionários’ de posarem com os ‘uniformes’ de sua ‘empresa’, quem pode?

Acontece que a folhinha, que é vendida pela internet, telefone e em bancas de jornal, já foi um sucesso no ano passado, quando se esgotaram os 40 mil exemplares impressos, e sua reedição torna-se muito atraente para quem deseja dividir os lucros da pródiga receita.

Os editores do calendário também se esquivam, afirmando que o ‘Calendário Romano’ tem cunho informativo para os turistas, fornecendo dados sobre o Vaticano.

Porém, se o mote é informação porque esses dados estão no verso?

A verdade é que os jovens padres chamam mais a atenção do que quaisquer informações. E são as fotografias que impulsionam as vendas do informativo e não o contrário.

Nada disso me surpreende:

Quando estive no minúsculo país constatei que no mobiliário urbano tinham propagandas de um show da Madonna (!), em Roma, na vizinha Itália.

Então, meus camaradas, se a Madonna que foi a pessoa que mais ‘cuspiu’ no Vaticano nas últimas décadas pode ter cartazes lá; até padres pelados, Fidel Castro, Karl Marx e o diabo também podem!

Desde que paguem a ‘caixinha’, é claro.
A fechadura que fecha e dura

(Será à prova de Leo?)

O link abaixo é a porta de um site que combina logos de grades empresas com slogans famosos, fazendo divertidas combinações! Para brincar basta clicar e depois apertar F5 até enjoar.

http://li18-144.members.linode.com:8080/logoloco/

Não esqueça de voltar aqui para dizer o que achou.

terça-feira, 2 de dezembro de 2008


(a maior fila de todos os eventos que cobri ou visitei no Riocentro)




ECONOMIA

Feira da Providência: crise X krisis

No sábado passado fui à Feira da Providência, no Riocentro (maior centro de convenções da América Latina), e pude constatar o verdadeiro sentido da crise mundial.

Muita gente sabe que a acepção literal da palavra para os gregos não é idêntica à nossa. Isto é constantemente publicado.

Seja por autores de livros de auto-ajuda, economistas, jornalistas ou outros picaretas, a definição vem à tona sempre que a economia está passando por transformações.

Então, não pouparei vocês das minhas impressões sobre o tema:

No idioma grego crise (krisis) é uma palavra homônima; têm dois significados para uma mesma grafia.

Como, por exemplo, manga, em nosso idioma. Que pode ser a fruta ou a parte da camisa.

No caso de krisis, os gregos a definem como colapso, desordem, deficiência, mas também como oportunidade, chance e conveniência.

E foi exatamente isto que verifiquei na Feira.

O evento este ano estava muito menor, com uma quantidade visivelmente inferior de expositores. Ao mesmo passo que me pareceu estar muito mais cheio do que nos anos anteriores.

Posto isto, a matemática é simples:

Com maior público e menos opções de compra de produtos, serviços e alimentação, o consumo nos stands atuais foi muito maior.

Os empresários mais corajosos, que não se encolheram ante ao pânico coletivo, lucraram mais, lucraram muito. Muito mais do que em anos passados e, principalmente, mais do que quem ficou em casa esperando a crise passar.

Aproveitar a crise/oportunidade é isso aí. Mas há quem discorde.

Alguém? Alguém? Dou-lhe uma, dou-lhe duas...





CULTURA

Não deixe o samba morrer

Considerado uma das principais manifestações culturais populares brasileiras e Patrimônio da Humanidade da Unesco, desde 2005, o samba ainda hoje é visto com ressalvas pelas elites – econômica e cultural – do país.

O gênero musical e estilo de dança pode ser considerado, ao lado da bossa nova e do futebol, o maior veículo de propaganda do Brasil no exterior. Comparável ao que o Cinema representa para os norte-americanos; a literatura para os ingleses; a pintura para os franceses, escultura e design para os italianos...

Portanto, nada mais justo do que comemorarmos e respeitarmos a data de hoje: Dia Nacional do Samba!

Por isso, independente do seu gosto musical, antes de tratar o samba (de raiz) como um assunto menor, pense no que esta arte representa em termos financeiro, institucional, sócio-cultural... Para o Brasil.


‘Quem não gosta de samba

Bom sujeito não é

É ruim da cabeça

Ou doente do pé’

Deixe aqui a sua homenagem à Tia Ciata, dona do primeiro terreiro de samba do mundo; ao português Zé Pereira, que patrocinou o primeiro bloco de bumbos; mas, principalmente à Donga, compositor de ‘Pelo Telefone’, o primeiro samba que o mundo ouviu; Pixinguinha, Noel Rosa, Braguinha, Martinho da Vila, Cartola, Paulinho da Viola, Jamelão, Monarco, Nelson Sargento, João Nogueira, Beth Carvalho, Clara Nunes, Zé Keti...

segunda-feira, 1 de dezembro de 2008

domingo, 30 de novembro de 2008


ESPORTE

Não vi e gostei

Ao contrário da velha e burra paráfrase ‘Não vi e não gostei’, hoje eu vou elogiar algo que ainda não assisti.

Este ‘novíssimo’ conceito é tão acéfalo quanto o anterior, mas é muito mais divertido! (risos)

Então eu vou arriscar indicar-lhes o quadro ‘Bola Cheia e Bola Murcha’, de hoje, no Fantástico.

Além de ser a final anual da disputa, a atração de hoje conta com três ilustríssimos jurados: o deus Zico, Ronaldo Fenômeno e Robinho – um verdadeiro time dos sonhos do futebol mundial.

P.S.: a escolha da ilustração se deu para homenagear outro eterno craque, que se encaixaria perfeitamente nesse timaço, perfazendo um verdadeiro ‘quadrado mágico’.

P.S. ²: E o que a Argentina tem a ver com isso? Nada. Só não quis perder a oportunidade de sacanear los hermanos mais uma vez!

sábado, 29 de novembro de 2008

CIDADE

Árvore da Lagoa: concerto e consertos para inglês ver

Já reparou que Árvore de Natal da Lagoa está sendo montada? Eu já. Afinal, é na porta da minha casa.

Seria impossível não perceber o engarrafamento criado pelos curiosos que passam pela Avenida Epitácio Pessoa e quase param seus carros às margens da Lagoa Rodrigo de Freitas para acompanhar a montagem do ornamento gigante; os operários; os jardineiros; garis; funcionários da Cedae.

‘Peraí’!

Está certo que eu me orgulho de morar na esquina mais bonita do mundo – Champs Elysées, em Paris, perde feio – porém, é muito estranho você acordar e encontrar mais de 500 funcionários públicos cuidando do ‘seu quintal’.

O bairro é lindo e oficialmente o melhor do Rio, segundo recente pesquisa da ONU, que registrou aqui o maior IDH, Índice de Desenvolvimento Humano do estado, mas e o resto da cidade?

E o resto do ano?


(prefeitura presente...)


(...uma semana por ano)
Não é comunismo, entretanto a primeira questão é óbvia aos olhos de todos, inclusive aos meus: se eu saio para trabalhar e encontro 40 garis na minha porta, algum outro lugar da cidade vai ficar mais sujo.

Levando-se em consideração que a inauguração da Árvore é reconhecidamente o terceiro maior evento turístico do Rio de Janeiro, perdendo apenas para o Réveillon de Copacabana e o Carnaval, a mobilização política e operacional se justifica.

Todavia, o segundo assunto é o que mais me tange e incomoda.

Por que somente hoje, às vésperas do show pirotécnico e musical, que vai contar com a Orquestra Sinfônica Brasileira, Elba Ramalho, João Bosco, entre outros, é que o bairro ganha essa maquiagem para inglês ver?

Ratifico minha pergunta: e o resto do ano?

Continuarei tendo que exorbitante R$ 1,50 para fazer xixi nos quiosques, já que não existem banheiros públicos nos 7,5 km do parque da Lagoa?

(banheiros químicos só para o evento)


E o lixo? Não tem que ser retirado, a grama aparada, o encanamento consertado?


Meu IPTU diz que sim! Espero que o prefeito eleito concorde.
Os números da Árvore da Lagoa:

A base de sustentação tem 810 Metros Quadrados
52 Quilômetros de mangueiras luminosas (duas idas e duas voltas na Ponte Rio Niterói)
1 600 estrobos para dar os efeitos de estrelas.
Com 85 metros de altura é a maior árvore de natal flutuante do mundo de acordo com o Guniess Book
Em homenagem à 13a edição a cenografia terá 13 fases seqüências com desenhos diferentes.
Os sinos (com canções natalinas gravadas na Itália) tocarão às 20, 21 e 22 horas todos os dias.
O show pirotécnico será todos os sábados, às 20 horas, até 3 de janeiro.

sexta-feira, 28 de novembro de 2008


CULTURA

Quem desdenha quer comprar?

Será que o velho ditado vai se concretizar no mundo dos quadrinhos? Faço-me esta pergunta desde ontem à noite, quando soube que depois de 40 anos de tapas a Mônica finalmente dará um beijo no Cebolinha.

Digo, a nova Mônica beijará o Cebola. Já que agora eles são adolescentes no novo gibi do quadrinista Maurício de Souza, o ‘Turma da Mônica Jovem’.

Voltando à pergunta inicial: será namoro ou amizade? Só um beijo, uma ficada ou uma união civil estável?

Desde sempre desconfio que a personagem inspirada na filha de Maurício tem uma queda pelo Cebola. Porém, não será nesse quarto número das novas aventuras da turma que a ex-gorducha (sim, agora ela tem cintura fina e seios aparentemente siliconados) vai revelar se vai amar ou continuar desdenhando do amigo de infância.

Aliás, o pai das Mônicas não divulga se essa relação um dia se concretizará.

Segundo o autor, dependerá da reação do público. A nova fase das personagens mais famosas do autor está cheia de novidades como os banhos, mesmo que esporádicos, do Cascão e a novo vocabulário do Cebola, que finalmente não troca mais os erres pelos eles. A não ser...

Bem, apesar de ter feito fonaudiologia, quando fica nervoso... (risos)

Nada que atrapalhe o sucesso da revista. A próxima edição da ‘Turma da Mônica Jovem’, sairá do forno com uma tiragem de 300 mil exemplares. A maior da história das revistas infantis no Brasil.

Em tempo: a Turma da Mônica original continua em circulação!

quinta-feira, 27 de novembro de 2008


RESPOSTA DO QUIZ
Céu:

Cozinheiro francês

Policial inglês

Mecânico alemão

Amante italiano

Administrador suíço



Inferno:

Cozinheiro inglês

Mecânico francês

Policial alemão

Amante suíço

Administrador italiano


Então: repararam que as portas estão lado a lado?

Pois é, aqui a resposta não é maniqueísta. Ou seja, o bem e o mal caminham juntos e ninguém está totalmente certo ou errado.

A sentença, retirada do Phrase Book levanta a questão de que pessoas certas colocadas nos lugares podem causar uma confusão infernal.

Alguns chegaram perto, tentaram ‘colar’, mas, não aproveitaram as dicas e ninguém acertou. Valeu pela brincadeira... O prêmio fica acumulado para a próxima!

quarta-feira, 26 de novembro de 2008

QUIZ

Ainda na linha do humor globalizado; uma pergunta para você, meu caro leitor:

Você sabe a diferença entre o céu e o inferno?

O acertador receberá em casa – via sedex – um legítimo chaveiro da Torre Eiffel, importado de Paris.
HUMOR


Este blog tem andado muito sério ultimamente. Então, aí vai uma relaxada nos textos e na paciência de vocês – meus três leitores:

A ONU resolveu fazer uma pesquisa mundial. A pergunta era:

Por favor, diga honestamente qual é a sua opinião sobre a escassez de alimentos no resto mundo?

O resultado foi um fracasso!

Os europeus não entenderam o que era escassez;

Os africanos não sabiam o que eram alimentos;

Os norte-americanos perguntaram o significado de resto do mundo;

Os cubanos pediram esclarecimentos sobre opinião;

Os argentinos não reconheceram a expressão por favor;

E o Congresso Brasileiro ainda está debatendo o que é honestamente.

terça-feira, 25 de novembro de 2008

DEU NA GLOBO agora: o motorista salvo de um afogamento por uma calça chama-se Roberto Costa Santana. Ele foi resgatado no Rio Pinheiros e não sabe nadar.

Até a gora o seu bem-feitor não foi identificado e os repórteres da emissora não noticiaram que uma calça foi usada no salvamento, limitando-se a dizer que foi utilizada uma corda improvisada.

Sonegaram o clímax da notícia. E olha que a equipe da CGJ, Central Globo de Jornalismo, é um pouco maior que a do cri-crítico!
BRASIL

Enchentes em SC: números X histórias

Sempre que cubro calamidades públicas tenho por obrigação jornalística apurar os números da desgraça alheia; é norma de redação.

Quanto mais precisos os algarismos, melhor qualificada é a matéria para o leitor ávido pela última palavra, últimos dados e cifras do acontecimento.

Por isso, hoje li sobre 49.799 desabrigados, ao invés de quase 50 mil, por exemplo.

– Já foram registradas 65 mortes no Estado: 15 no município de Ilhota; 13 em Blumenau; 12 em Jaraguá do Sul; 10 em Gaspar; 4 em Luiz Alves e mais 4 em Rodeio. No Rancho Queimado 2 perderam a vida. Brusque, Pomerode e Bom Jardim da Serra tiveram ‘apenas’ 1 vítima fatal cada.

É óbvio que para as famílias e amigos dessas únicas pessoas que morreram nessas três cidades, os números não são consolo. E, acredite, para os jornalistas também não.

A maioria de nós se envolve, sim, com os dramas pessoais dos entrevistados; e levamos suas histórias para as nossas vidas, nossas conversas familiares, sessões de análise.

Alguns eventos são trágicos, mas no meio de cenários desoladores como de 32 comunidades no Rio de Janeiro, onde 6,5 mil pessoas ficam sob ameaça de desabamento a cada temporal; ou nas áreas de risco em São Paulo, que condenam 60 mil moradores, há histórias extremamente humanas que me fazem acreditar que nem tudo está perdido.

Ontem à noite na capital paulista, o motorista de um furgão que abandonou o veículo e foi arrastado pela enxurrada para dentro de um córrego, foi salvo pelo o taxista Enídio Soares Júnior e um passageiro não identificado que tirou a própria calça para resgatar o homem.

O herói anônimo, protagonista de um fato, no mínimo, inusitado e constrangedor é a prova de que – perdoe-me pela redundância – há humanidade na humanidade!

domingo, 23 de novembro de 2008

MEU MUNDO

Mais um comentário que virou um post

(do blog amigo ‘Garota pendurada!’ para O cri-crítico)

‘Você gosta de contos eróticos?

Eu conheci a ‘leitora’ que escrevia os mais picantes relatos do mais famoso compêndio sexual da abertura, digo, pós-ditadura: o ‘Fórum Ele & Ela (Penthouse Brasil)’

A ‘gostosa’ era um colega jornalista quarentão, calvo, baixinho, duro, que morava de aluguel no meu prédio em Ipanema, há alguns anos!

Pura fantasia, porém, com uma boa edição, sem gafes na forma nem conteúdo.

Outro famoso contista da época era um garoto de programa chamado Índio, que usava pseudônimos femininos para enviar inúmeras histórias de suas clientes, que ‘por gratidão’ passavam o contato do rapaz no final das cartas, para ele faturar um pouquinho mais. Hilário!

Com a Internet, esse filão cresceu muito (sem trocadilho). Mais quantitativamente do que qualitativamente, diga-se.

Se com a explosão dos blogs todo mundo – e qualquer um – se tornou ‘bom autor’, os contos eróticos são a democratização do sex apeal; todos se tornaram excelentes amantes...

Ao menos virtuais!’

Leo Pinheiro,
sobre o post ‘Conto Erótico: o tiro que saiu pela culatra’, por Nat Valarini,

sábado, 22 de novembro de 2008

















CIDADE

Quem ama não rouba

Há tempos li uma interessante reportagem sobre a relação dos cariocas com as estátuas. O tema foi capa de revista e nas páginas do miolo se exaltava uma relação humana com os monumentos díspar de qualquer outra cidade no mundo.

Que bacana!

Cariocas são bonitos, cariocas são bacanas... Cariocas conversam com estátuas, acariciam-nas, dão tapinhas nas costas e... Tapões!

Isto mesmo: alguns estão levando esse contato afetivo longe demais.

Será que toda relação ‘interpessoal’ se deteriora com a intimidade? Será que é inerente ao ser humano ser vil com os mais próximos?

Quero acreditar que não. Mas estão querendo me convencer do contrário.

Pela enésima vez a estátua de Carlos Drummond de Andrade, o poeta eterno, foi danificada. Na madrugada de ontem, uma das hastes dos óculos do foi arrancada.

A escultura, que foi eleita, naquela matéria, como a mais próxima dos cariocas, já teve os óculos roubados integralmente outras cinco vezes. A última reposição custou R$ 3 mil.

Vândalos, aproveitadores e engraçadinhos

Não acredito que o ladrão tenha vendido os mesmos por míseros R$ 3. Sua paga deve ter sido somente o orgulho (?) de seu ‘grande feito’.

Ante esse cenário, ainda tem gente querendo faturar. Uma ótica (que eu não vou citar o nome porque não faço merchandising para aproveitadores) propôs como solução do problema que se coloquem óculos descartáveis baratos, que ela financiaria – naturalmente em troca da divulgação de sua marca.

Melhor fez a turma do Casseta & Planeta que lançou uma campanha em prol da troca dos óculos por lentes de contato. (risos)

É rir para não chorar.

quinta-feira, 20 de novembro de 2008


MEU MUNDO

Luto, invasão, desrespeito, fofoca e um ‘telefone sem fio’ mórbido.

Como meus amigos e meus dois leitores sabem, eu não posto aqui há semanas devido a problemas particulares. Meus amigos sugeriram que eu desabafasse pubicamente escrevendo, colocando minha dor para fora através do que – segundo eles – eu faço melhor.

No entanto, não me sinto motivado a nem um nem outro: não quero expulsar esta dor de mim, quero vivenciá-la; tampouco quero dividir com desconhecidos a minha intimidade (desculpem-me a franqueza).

Para tanto, deixei uma mensagem na capa do meu perfil no Orkut suplicando que não me enviassem scraps ou depoimentos perguntando do que se tratava, pois, eu estava (estou) abalado e só responderia aos amigos reais, pessoalmente ou por telefone.

Instantaneamente aconteceu o inverso! No mesmo segundo (pasmem, eu disse no mesmo segundo!) chegou a primeira pergunta: ‘O que houve?’.
Nos dias que se sucedem estou sendo bombardeado por scraps, depoimentos, e-mails, torpedos... Enfim, toda sorte de comunicação virtual que se possa imaginar, enviadas por gente que nunca vi na vida.

O mais patético de tudo é que as pessoas mais distantes são as mais curiosas.

Não me poupando o trabalho de apagar as indesejáveis mensagens, essas pessoas mandaram textos muito semelhantes entre si. A maioria dizia que apesar de não me escrever há muito tempo (leia-se, nunca!), queria saber o que tinha havido comigo (Why? Why? Why?)

A pergunta que não quer calar: se você não me escreve quando estou solícito à apreciar seus textos, por que resolveu escrever logo quando eu pedi para não fazê-lo???

Torpe, não?

Mesmo que vocês estejam me achando mal-humorado e esta postagem chata, prossigam, porque o melhor está por vir! Abaixo a cereja do sunday deste lamentável episódio:

No sábado pedi a familiares para ligar para um colega de trabalho a quem chamarei aqui de M, para avisar-lhe que eu não compareceria, pois eu estava em um funeral;

M transmitiu o recado aos outros colegas, presenciado pelo meu amigo R;

No domingo uma TIA novata no Orkut resolveu burlar o meu pedido e deixou um scrap se solidarizando ao meu luto por N;

J, que nunca, nunca me enviou um só scrap desde que me adicionou – nem para agradecer meus votos de feliz aniversário – leu (?) o recado de minha TIA, e entendeu que ela, minha TIA, estava de luto por mim, e em seguida ligou para o meu tal colega M avisando-lhe que tinha lido um scrap de minha PRIMA dizendo que eu estava morto;

M, mesmo sendo a única pessoa a ter recebido o telefonema com as informações verdadeiras sobre o meu luto, não desmentiu J, e ainda ligou para R para dizer que minha PRIMA que é amiga (?) de J a avisou que eu tinha morrido;

R, meu único amigo na história, ficou preocupadíssimo e ligou para minha casa, não me encontrou e já estava decidido a encomendar minha missa de sétimo dia, quando resolveu ligar para o meu celular e constatar que estou péssimo, mas vivo.

Tragicômico, não?

Não.

Na verdade é só trágico. Não consigo ver humor em tamanho desrespeito à minha privacidade e ‘memória’.

Vocês vêem?

quinta-feira, 6 de novembro de 2008























COMPORTAMENTO

Censura nunca mais

(POR FAVOR, SÓ COMENTE SE LER O TEXTO TODO)

Há dias em que os comentários de um blog chamam mais a atenção do que os próprios posts.

E esse dia foi ontem. Quando eu não escrevi sob qualquer pretensão jornalística maior, não dei nenhum furo, não levantei nenhuma polêmica...

Mas tive uma das piores constatações que um escritor pode ter: a falta de atenção para com a sua obra. Seja ela, a obra, um romance, uma crônica ou uma simples nota na Internet.

Pois então; a minha última postagem foi apenas uma frase, que faz referência ao texto do dia anterior, sobre a cerveja Obama. Uma única sentença, a propósito de um ‘textículo’ também de minha autoria, que está logo aqui 10 centímetros abaixo.

Mas mesmo assim, algumas pessoas não deram a mínima para nenhum dos dois posts. Uns discorreram a respeito de direção de veículos (?), uma pessoa falou sobre futebol (??) e outra reclamou de mim por criticar o Lula (???).

O mais interessante de tudo é que no referido post eu não fiz menção a nenhum dos três assuntos! (risos)

Já a penúltima postagem, foi a mais polêmica, até agora, desde a mudança do cri-crítico para o blogspot.

Algumas pessoas cri-criticaram o meu uso da palavra crioulo, esquecendo-se de escrever a respeito do texto que leram (?).

Antes de qualquer coisa, vou esclarecer que crioulo é, além de um idioma africano, o termo que se usa para diferenciar negros puros, de mestiços de negros com brancos, os mulatos; ou os cafuzos, resultantes da miscigenação entre negros e índios.

Em segundo lugar, mas não menos importante, quero verbalizar sobre um tema que me causa calafrios: censura!

Todos que quiserem podem conferir que a aprovação dos comentários é automática, que não faço nenhuma avaliação ou triagem dos mesmos. Porém, o mesmo direito à expressão que dou aqui neste meu espaço, eu faço questão de ter.

Não vou ceder aos argumentos dos desatenciosos ou dos que simplesmente discordam de mim, e me autocensurar. Não aqui!

Quem ler a minha descrição no item ‘Quem sou eu’ (Estou querendo demais, né? Nego... Ops, as pessoas, mal lêem os posts) saberá que aqui é um espaço de exercício de liberdade autoral.









Faço questão de ressaltar isto na frase ‘...Escrevo aqui pequenas observações não muito profundas, mas que, por um motivo ou outro, não posso escrever nestes veículos...’

Pois é, nestes veículos nos quais atuo eu devo contratualmente subordinação editorial. Fato este que não me avilta, como a censura de outrora. Essa sim, uma chaga!

O que muita gente esquece é que toda a censura tem seu nascedouro na sociedade civil.

O famigerado AI 5, Ato Institucional número cinco (que me traz lágrimas aos olhos), que entre outras mazelas instituiu a censura de forma ostensiva no Brasil, foi precedido pela TFP, a organização não governamental Tradição, Família e Propriedade.

Portanto caro leitor, quando você se manifestar contra a liberdade de alguém escrever sobre algo que você não prestou atenção, não entendeu ou discordou, lembre-se que você pode estar fomentando a volta da censura.

...A mim, a você mesmo, ao Brasil.